06 setembro, 2015

...o amor não é cego





o amor não é cego
mas tem falta de vista

{só vê bem ao longe}

do avesso a terra estremece
e as árvores sacodem os ninhos

com as penas vou fazer um telhado
que me abrigue desta chuva ácida

com o sangue farei uma janela
e nela te deixarei pendurado um grito

se já não sou da terra que trago no bolso
farei do vento a minha casa

a partir de hoje
já não quero ser homem, nem mulher ou menina
serei apenas o pássaro da minha cabeça

e voltarei a partir
para lá desta lonjura
onde talvez
com um golpe de sorte
ou de asas
também me vejas...

Sónia M

(Não. Isto não é um poema de amor...)


Imagem de Sophia Alexis
http://www.flickr.com/photos/sophiaalexis/8701389195/in/photostream

7 comentários:

  1. e o amor voa longe...
    lindos versos!
    beijo.

    ResponderEliminar
  2. teu voo vai longe...

    tens asas coloridas...

    beijo

    ResponderEliminar
  3. nem todos os poemas são de amor.
    mas depende de como se lê, este pode ser, sim.
    e de asas se fazem o voo dos pássaros.
    beijo
    :)

    ResponderEliminar
  4. Na elegante e fina escrita da tua pena

    Às vezes é preciso acordar o silêncio da memória
    Ou esperar pelo adormecimento inadiável
    Com o gesto sereno e demorado da ternura
    Com o acordar do amor rompendo o improvável


    Um radioso fim de semana



    Doce beijo

    ResponderEliminar
  5. Inventaram as lentes,
    progressivas,
    mas não são solução.

    Vê-se bem ao longe,
    só depois, eu sei,
    pela força do desejo.

    Cá por mim,
    quando fecho os olhos
    e beijo é que vejo.

    Boa semana, Sónia éMe.

    ResponderEliminar

NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS ANÓNIMOS