15 agosto, 2020

Algo haverá para despir a espera

  


algo haverá para despir a espera
como se despe uma mulher
deixando a roupa espalhada no quarto

e fixando os olhos na mais feia cicatriz da parede
pede ao pequeno insecto pousado no ombro
que mastigue as cordas invisíveis da noite 

algo haverá para despir a espera

e um dia alguém dirá que voltei a casa
sem borboletas no ventre
mas que cheguei ao centro da minha rua
com toda a terra fechada no punho

sei que algo haverá...
um dia...

talvez uma noite no centro da vida
ou a vida toda no centro da espera já nua
e da boca da ave do assombro
comer ainda os morangos maduros...


© Sónia Micaelo

(texto e imagem)

18 comentários:

  1. depois de despir a espera
    haverá que vesti-la. de novo.

    já não espera! mas assombro...

    gostei muito do poema
    abraço

    ResponderEliminar
  2. Um poema de esperança (sei que algo haverá...) com um toque de erotismo para ilustrar a ideia. Gostei.
    Boa Noite.

    ResponderEliminar
  3. Olá, boa noite!

    Um belo poema, sim senhor!

    Creio ser a primeira vez que aqui venho.

    Saudações poéticas!

    ResponderEliminar
  4. Despirmo-nos é do disfarçarmo-nos despedirmo-nos.
    GK

    ResponderEliminar
  5. Belissimo Poema!
    ..."despir a espera como quem despe uma mulher"

    Deliciosa nudez,
    que incandescente anseia exceder a luz.
    Haverá algo um dia...
    um instante
    uma espera nua
    numa sombra fascinante!

    Um abraço.
    A.S.

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde Sónia,
    Como vai?
    Um poema muito belo tão ao seu jeito.
    Há sempre algo para despir uma espera, algo que dói e nos corrói por dentro.
    Um beijinho,
    Ailime

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde Sônia obrigado pela visita e carinho. Obrigado pelo poema lindo. Nunca perderemos a Esperança.

    ResponderEliminar
  8. Oi Sonia,
    Quanto tempo!!!
    Você escreve com a doçura de quero mais
    Obrigada
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  9. Eu vim aqui, li, e me encantei. Depois, voltei, reli, e novamente me encantei. Hoje, retorno para aplaudi-la uma vez mais. Há algo de especial na forma como brinca com as palavras. "A vida toda no centro da espera já nua", a realização, o fim que tem gosto de recomeço. Bjs.

    ResponderEliminar
  10. despir a noite e o tempo
    da espera
    e todo o poema a abrir-se
    no aroma dos morangos…
    gostei imenso. belo
    um abraço e boa semana

    ResponderEliminar
  11. Sónia
    Sempre o teu estilo tõ cheio de sensibilidade e sentires.
    Belissimo e com a mágoa da saudade e da distância.
    Eu acho que não é fácil despir a espera.
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  12. Olá Sónia!
    Vim "ouvir" teus sussurros uma vez mais!

    Um beijo e votos de uma feliz semana.
    A.S.

    ResponderEliminar
  13. Que todas as esperas terminem com sonhos realizados e sorrisos de felicidade.
    Maravilhoso poema
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. A minha espera é diferente... e talvez pior...
    Um poema de saudade de emigrante?
    Da terra natal e dos morangos...?
    Uma espera resignada?
    Não sei, mas o poema é magistral e de enorme sensibilidade.
    Parabéns pelo teu talento poético.
    Bom fim de semana, querida amiga Sónia.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  15. Thank you for sharing this wonderful post keep your awesome work
    I have many hobbies. I love to travel and read. But my favorite hobby is cooking. Let me tell you why! First, I'll tell you a little bit about why I started cooking. Secondly, I'll give you some information about what I like to cook. Third, I will say how I use the Blog ẩm thực for cooking.

    When I started cooking, I was 10 years old. My mom wants me to be a chef. She has always believed that girls have to make different types of food, because one day they will get married. In my country, it is normal for girls not to cook. I feel lucky because I can cook many dishes. Now that I cook some of the dishes my children and husband love, I become happy and proud of my mother and myself. Foody

    ResponderEliminar
  16. Vencidas as reservas, aquietados os desassossegos, algo haverá para tecer as memórias, algo haverá que perdure, enquanto, sossegadamente, nos despimos do pó do caminho percorrido. Então sim, o amanhã será sempre um novo dia.

    Um beijinho, Sónia :)

    ResponderEliminar
  17. Tão bem que escreve, Sónia!
    Todas as esperas são para despir, acho eu. Os morangos estarão á sua espera.

    Tenho uma surpresa no meu blog, e gostaria que viesse até ele, mas tem de ser mais ou menos rápida. Talvez, não faça o seu género, mas fica lançado o convite. Obrigada!

    Beijos e bom setembro.

    ResponderEliminar

NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS ANÓNIMOS