27 junho, 2020

O GESTO





Fazer o gesto é muito mais que fazer um gesto.
É a solidão da mão; um breve aceno em ar vazio;
o desenho transparente  do adeus, ao que nunca esteve.
Porque uma alma inquieta nunca está.  Por isso parte.
Uma e outra vez,  parte 
                              e parte e parte!
Tem toda uma vida para partir. Uma única vida. E parte.

Pudesse a mão ser um dia carícia; um sol antigo na pele.
Pele na pele a tremer no peito e um fio de loucura 
a abraçar o corpo rendido. 
A mão...a mão guarda o cosmos.
A mão! O principio ou o fim do sonho...

Fazer o gesto, 
a mão,
um breve aceno...
Como se entre o estar e o partir, 
amar fosse a única demência 

da qual foges...



© Sónia Micaelo




8 comentários:

  1. Quando entrelaçam-se os dedos, afastam-se os medos.
    GK

    ResponderEliminar
  2. Olá, Sónia!

    Um poema muito bem escrito e engendrado.

    A mão, que faz o gesto e um gesto, tem sempre uma palavra ou muitas a dizer. A mão pode tanto fazer em termos de amor e sensualidade!

    Tornemo-nos dementes, então!

    Beijinho e bom domingo.

    ResponderEliminar
  3. a Eloquência do Gesto! e um expressivo poema

    abraço

    ResponderEliminar
  4. Mãos, trémulas num gesto de adeus
    Mãos, sedosas, tecendo noites sem lua prontas para o amor
    Mãos, cálidas como o fogo, para iluminar
    os mistérios indecifráveis do tempo...

    Um beijo!

    ResponderEliminar
  5. A pele e a esperança de ser carícia. Lindo texto.
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  6. Poema cheio de sentires!
    E quantas vezes partir com vontade de ficar
    muitas vezes, muitas!
    Poema muito comovente.
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  7. A mão é murro ou carícia...
    Um poema excelente. Parabéns pelo talento.
    Continuação de boa semana, querida amiga Sónia.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Das mãos nos gestos livres dum sinal
    Não gosto muito de aceno
    Quando um adeus e' quase mortal.
    Gosto dessa parte de, com as mãos,
    Construir essas pontes de que fala
    Entre o "sol antigo" e a "pele" de "loucura"
    Merecida.
    Um belíssimo poema, como sempre...)
    (finalmente posso comentar directamente - o erro da minha conta google esta' ok)

    Abraço ou beijo das mãos estendido, amiga .

    ResponderEliminar

NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS ANÓNIMOS