03 novembro, 2013

.



O que pede tão pouco é tanto
o violino toca e toca
uma moeda
um sorriso
e o mundo passa e não ouve
e o mundo passa e não nota

tu que me sentes
por um breve e pequeno instante
saberás que estou triste
por ser alegre o meu canto

passa a criança e escuta
e o violino toca e toca
uma moeda
um sorriso

toca e toca...

escuto-o ainda

dentro do silêncio desta hora
um eco surdo
do que vejo e não mudo

(nem tudo o que canto é meu pranto…)


Sónia M



(imagem, "Old man with his violin" by Hungmn)

28 comentários:

  1. Pede-se pouco mas tanto...para quem vê e nada muda.

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Tão mas tão lindo Sónia...vou daqui mais rica...!

    ResponderEliminar
  3. O que pede tão pouco é tanto
    o violino toca e toca
    uma moeda
    um sorriso
    e o mundo passa e não ouve
    e o mundo passa e não nota

    Te desejo um domingo
    bem passado,
    No teu peito uma flor
    O teu corpo perfumado
    De carinho e muito amor

    Um beijo
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  4. Eu também sofro com o mundo
    que não ouve...
    ...ou ouve o que nem é música...
    Sofro...

    ResponderEliminar
  5. O violino que toca e mesmo baixinho, faz ouvir os gemidos que o destino traçou a um ser humano que um dia foi rei.
    O meu abraço e tudo de bom AMIGA

    ResponderEliminar
  6. Oi Sónia
    É amiga, nem tudo que brilha é ouro.
    Ninguém sabe o porquê ele está aí, pois para aprender a tocar violino naquela época era só para ricos. Uma desilusão? Quem saberá? Só ele.
    Bom fim de semana
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  7. Belissimo poema.
    Quantas vezes se toca e sorri mas se tem o coração desfeito de magoas e dores.
    Bom domingo
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  8. Sonia: Ninguém sabe os porquês dele ali estar, como podemos nós saber o violino toca com o seu talento e fica a espera que quem passe deixe uma moedinha, pode não nos fazer falta, mas pode fazer a felicidade de um ser humano.
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderEliminar
  9. A vida dá tantas voltas! Quem sabe o quanto custará ao artista estar na rua ...sujeito a ninguém ouvir...a não olhar...a passar correndo...e ele tocando...enchendo o ar com a sua arte e os seus lamentos... Cada vez encontramos mais gente com valor pelas esquinas das cidades! Belo poema, amiga!
    Um abraço.
    M. Emília

    ResponderEliminar
  10. Que a canalha não nos exproprie
    os violinos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mar Arável: Será também com os violinos que enfrentaremos a canalha esquizofrénica...

      Eliminar
  11. ¡¡¡Cuantas veces me paro a pensar la posible historia de esa persona que está tocando cualquier instrumento!!!
    Ellos dan sabor y cierta dosis de sosiego al frenético ritmo de la sociedad.
    Si, es cierto; cuando uno está en silencio parece como si sonara esa pieza que escuchamos al pasar a su lado....Precioso, como siempre, Post.
    ¡¡¡Gracias por Estar y por Ser siempre en mi Blog!!!
    Abraços e Beijos.

    ResponderEliminar
  12. Grata a todos, que pararam a escutar...

    O meu abraço

    ResponderEliminar
  13. Olá Sônia,
    adorei o poema!
    Poesia é difícil e você sabe fazer. Parabéns e uma boa semana

    ResponderEliminar
  14. Olá Sónia, simplesmente maravilhoso o seu poema! Comoveu-me pela mensagem e na forma tão bela como a transmitiu. Beijinhos e boa semana. Ailime

    ResponderEliminar
  15. Arrepiaste-me nesses acordes de violino e moedas em alternância.

    Beijos

    ResponderEliminar
  16. Oi Sónia,
    É a vida, se joga a moeda, mas não faz um agrado
    Uma boa conversa vale milhões.
    Obrigada
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  17. Hola Sónia, buenas tardes,
    disfruté de la melodía de tu entrada hecha violín!
    tu creación ha dejado gratos acordes...

    Te deseo una bonita semana
    un cálido abrazo

    ResponderEliminar
  18. "saberás que estou triste
    por ser alegre o meu canto" Versos perfeitos entre a maviosidade do poema. Tantas vezes as palavras escondem o que se vai no coração. Porém nem sempre passa desapercebido de um olhar mais atento, de um escutar mais afiado.
    Gostei muito! bjs

    ResponderEliminar
  19. "passa a criança e escuta"

    A criança observa tudo em nada. Já o homem, não observa nada em tudo.

    Beijo enorme e uma boa semana, Sónia.

    Maria

    ResponderEliminar
  20. Eu não ouço o violino neste poema, mas vejo, com muita nitidez, a fotografia do instante. É uma fotografia de quem passa e se enternece com o que viu. É o instante do "silêncio desta hora", e que mais não é do que "um eco surdo do que vejo e não mudo", porque " nem tudo o que canto é meu pranto". Excelente!...

    ResponderEliminar

  21. Olá Sônia,

    Seu poema é maravilhoso e traz uma reflexão tocante.
    Fiquei encantada com sua sensibilidade.

    ..."e o mundo passa e não ouve
    e o mundo passa e não nota..."

    ..."um eco surdo
    do que vejo e não mudo".

    De que adianta ver, ouvir, sentir e permanecermos inertes diante do que requer atitude?

    Adorei.

    Beijo.


    ResponderEliminar
  22. Magnifico poema onde tudo se encaminha dentro de horizontais encatos.

    Adorei..beijinho de cristal

    ResponderEliminar
  23. O mundo anda distraído e parece que não gosta de música...
    Abraço

    ResponderEliminar
  24. e dos sons do violino sai o pranto que quase ninguém repara...e é tanto..

    comovida estou!

    :(

    ResponderEliminar

NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS ANÓNIMOS