17 junho, 2012

Micro contos


Para trás ficou o quente da cama e o cheiro dos corpos entrelaçados. 
A rua estava envolta pelo xaile negro da madrugada e por um lençol branco de neblina salpicado de luzes.  Fizeram-se à estrada sem saberem para onde iam nem quaisquer certezas sobre o caminho a seguir. A única coisa que sabiam era que todos os caminhos nos levam a algum lado, nem que seja a sítio nenhum, e que por vezes é lá que somos realmente felizes.



Retirado daqui, https://www.facebook.com/microcontos

19 comentários:

  1. A veces caminamos sin rumbo, pero siempre llegamos a algún lugar.
    Me gustó mucho
    Un beso

    ResponderEliminar
  2. A eterna esperança de chegar a um qualquer porto de abrigo...

    Beijo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A própria esperança, só por si, já é um abrigo...
      Beijo :)

      Eliminar
  3. Fizeram-se à estrada
    No branco da neblina
    Na cama quente deixada
    O desejo de uma menina!

    Aconteceu de madrugada
    Sem saber para onde ir
    Depois de uma longa caminhada
    Encontrar o caminho a seguir!

    Bom domingo,
    um abraço
    Eduardo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ...e todos os caminhos são bons Eduardo!

      Um abraço

      Eliminar
  4. Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho.

    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A felicidade para mim, são pequenas paragens que fazemos no caminho...talvez por isso penso que deveríamos parar mais vezes!
      Beijo

      Eliminar
  5. Quando camaminhamos sem rumo, sem destinos programados, é quando mais apreciamos a paisagem. Deixar-se levar solta aos ventos é pura felicidade. Beijos!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim Suzana, o deixar-se levar por vezes é o segredo! Beijinhos

      Eliminar
  6. São autênticos poemas, estes microcontos, tal é beleza das imagens que despontam de cada frase, assim como a deslumbrante capacidade de síntese revelada. Já publiquei alguns no Alpendre da Lua. O seu autor, que sei que é do litoral alentejano, obstina-se a manter-se no anonimato.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São fantásticos Alexandre! Na realidade conheci esta página através do Alpendre da Lua. Só podia, não é?
      Beijo

      Eliminar
  7. Nesta vida de passos no nada
    O caminho é a grande chegada
    GK

    ResponderEliminar
  8. Pode não haver caminhos certos, mas se forem felizes valem a pena. Lindo..

    Bjos, Flor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Todos os caminhos valem a pena, quando a alma não é pequena!"

      Beijo meu

      Eliminar
  9. .


    Eu senti um pouco do seu
    colo quando comentou o meu
    texto no blog espelhando.
    Um beijo de agradecimento,
    de respeito e admiração.

    Palhaço Poeta
    (silvioafonso)




    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela visita Silvio.
      O meu abraço :)

      Eliminar
  10. Já dizia Miguel Torga « O que importa é partir não é chegar...».
    Lindo!
    beijos

    ResponderEliminar

NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS ANÓNIMOS