01 setembro, 2015

Feitos de vento...



..ainda me estremeces no peito
como arrepio de um sopro de vento

o teu nome inscrito na mudez de um grito
que se faz ouvir na noite

a nitidez da memória
de uma tarde quente

a placidez dos gestos
a esconder o desassossego do ventre...

e o corpo... 
...tão perto 
no encontro sereno da fala...

os olhos 
bebiam o horizonte distante
como se soubessem
que o retrato que me tiravas à janela
{já tão antigo!}
seria este silêncio de agora 
que de nós não parte...

o murmúrio das árvores lá fora
ensurdecia os pássaros mudos 

 e nós 
fomos a plenitude 
de um único intervalo 
já tardio na vida...

ficámos feitos de vento  
amor
dor de um destino que chamei rebelde

uma espécie de angustia em mim cravada
por haver chegado sempre tarde...

amor
não gosto dos dias 
em que não se ouvem os pássaros...
  

Sónia M


Imagem, Óleo s tela, por ©Arthur Braginsky

5 comentários:

  1. UN TEXTO LLENO DE MUCHAS SENSIBILIDADES.
    ABRAZOS

    ResponderEliminar
  2. terno e doce poema de amor...

    gostei muito

    ResponderEliminar
  3. Neste belo concerto de memórias vivas

    nem os pássaros serão indiferentes

    Bjs

    ResponderEliminar
  4. e os pássaros não se vão esquecer de aparecer....

    muito belo!

    :)

    ResponderEliminar
  5. Levei este poema...se não concordar será imediatamente retirado.
    obrigada!

    ResponderEliminar

NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS ANÓNIMOS