03 junho, 2014

.


Tudo à volta se move.
É firme e seca a terra
e eu sinto que as águas me engolem.

Julguei-me o sonho
mas dele
não sou mais que a névoa.

O provável que afastas
com medo que arda.
A poeira pousada no vestido transparente
da solidão que persegues.

Baixo os braços
cansada
de ficar frente às luzes que acendes.
Uma a uma sopro-as.
A dor tacteia as paredes
mas eu sou
o escuro do quarto que a cega.

Enquanto o silêncio alucina ainda
com o gemido de outras noites
eu emerjo do fundo do poço
sem que os meus lábios beijem as águas.


Sónia M

Imagem, Ivan Koulakov 


28 comentários:

  1. Vagueando no escuro , esse corredor infinito da memória...

    Muito bonito.

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. "...
    A subtileza das sensações inúteis,
    As paixões violentas por coisa nenhuma,
    Os amores intensos por o suposto em alguém,
    Essas coisas todas —
    Essas e o que falta nelas eternamente —;
    Tudo isso faz um cansaço,
    Este cansaço,
    Cansaço.
    ...
    Álvaro de Campos)"

    Vamos a levantar braços!

    Beijo Enorme Sónia.
    Adorei.

    ResponderEliminar
  3. Um poema em que as palavras ardem e queimam. A Sónia, através de expressivas metáforas, muito bem construídas, conduz-nos aos limites extremos da dor, do desencanto e do cansaço, como se cavasse uma terra fria, amortalhada por palavras. Trata-se de um poema de eleição, digno de figurar em qualquer exigente Antologia.

    ResponderEliminar
  4. O silêncio alucina e dedilha sutilezas às poesias! abraços

    ResponderEliminar
  5. por vezes o silêncio dói...

    outras tem o gosto de murmúrio calado...

    beijo

    ResponderEliminar
  6. Encontramo-nos no silêncio...assim ouvimos nosso infinito! Belo demais, Sônia.

    Ghost e Bindi

    ResponderEliminar
  7. Olá Sónia!
    A sensibilidade à flor da pele...neste poema cada palavra é um manancial de luz, de dor de sentimentos...
    Boa semana. Um abraço.

    ResponderEliminar
  8. Oi Sónia,
    Boa noite
    Não gosto do escuro da alma, pois fico perambulando pelos cômodos com medo de espectros que possam vir e transformar o medo em lamento.
    Cruzes
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  9. Olá,Boa noite,Sônia
    lindo...
    ...noite que não amanhece nem em sonhos, nem em realidades...o silêncio e o reflexo presente duma saudade persistente e de uma presença ausente.
    Agradeço pelo carinho, obrigado,belos dias, beijos!

    ResponderEliminar

  10. Muito lindo, Sônia.
    Li e reli. Uma riqueza de poema.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  11. LETRAS MUY MELANCÓLICAS.
    UN ABRAZO

    ResponderEliminar
  12. embora muito nostálgico é um poema muito bem construído.

    um dia o sol brilhará com mais força

    deixo o meu abraço

    :(












    ResponderEliminar
  13. Li e deixo apenas um beijinho, Sónia, porque existem palavras que devem apenas ser lidas em silêncio. Podemos interpretar, mas eu prefiro não o fazer em voz alta, tenho medo de desarrumar o sentido do poema :)

    ResponderEliminar
  14. Poeticamente hermoso!
    la mezcla justa entre palabras y sensaciones.

    Que tengas un gran resto de semana
    te dejo un beso y un silencio desde mi lado oscuro.

    ResponderEliminar
  15. viagem ao universo do inefável, lá onde tudo é sensação e projeção de um real que não se sabe onde começa ou sequer se acaba... e, de repente, assomam-me as palavras do grande al berto que se cruzam com este devaneio líquido a acender imagens e trajetos de tanto por-percorrer: "sou terra num texto onde não encontro água"... porque sinto sê-la eu mesmo...

    beijinho, sónia, ainda agitando músculos à procura de os voltar a sentir.

    ResponderEliminar
  16. Nós e os outros... Precisamos de pontes, mas a necessidade de ver o mundo a partir de nós continua a ser questão insolúvel...
    Sempre bem, Sónia!

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  17. Boa tarde Sónia, muito belo e abrangente o seu poema que, embora nostálgico, está recheado de uma enorme riqueza poética!
    Muito obrigada! Adoro lê-la!
    Um beijinho e bom fim de semana.
    Ailime

    ResponderEliminar
  18. Boa tarde,
    Poema muito bem construído em movimento.
    Dia feliz
    ag
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  19. Lindo este movimento das palavras e do sentir.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  20. Querida amiga

    São belas
    as palavras
    que nos acariciam
    o coração...

    Obrigado por semear o belo
    em um mundo tão carente
    de sentimentos bons.

    ResponderEliminar
  21. Sónia,
    Gosto muito deste teu novo visual...mas não foi para te dizer isto que vim até aqui. Quanto ao meu regresso, está para breve.
    Beijinho e obrigado!
    :))

    ResponderEliminar
  22. "eu emerjo do fundo do poço
    sem que os meus lábios beijem as águas." Belíssimo! Gosto demais dos teus escritos...
    As mudanças por aqui ficaram ótimas... Amei!
    Doce beijo!

    ResponderEliminar
  23. Um poema turbulento, de quando tudo à nossa volta gira, e há uma luz que não conseguimos agarrar
    e fazer nossa.
    Um tempo em que o silêncio e o escuro nos escondem as forças.
    Belíssimo, Sónia!

    Tirei hoje uma parte da tarde para visitar os amigos...;-))
    Boa semana!
    xx

    ResponderEliminar
  24. Escreves tão bem.
    Não tenho palavras para qualificar a excelência deste teu poema.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  25. Este poema foi lido no InVersos!
    Poderá encontrar o vídeo em http://inversos.pt.vu.

    ResponderEliminar

NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS ANÓNIMOS