04 setembro, 2014

.


Há dias que sou tão triste como este canto.

Absorvo em mim a tristeza do mundo.
       
Das vozes roucas de tanto gritar.
                          Dos ouvidos surdos.



E sinto no meu eu mais profundo
as injustiças de cada dia
a falta de amor

                      a mentira...a desilusão.

Recolho em mim toda a dor 
do homem que passa 
todos os dias na mesma esquina

                            sem trabalho 
                                     sem brilho
                                             sem pão.

                                                      
Do mendigo que pede na rua
da velhice escorraçada
dos horrores da guerra

                         dos filhos que morreram
          daqueles que não nasceram
do pranto das mães...


do horizonte sombrio e distante 
a falta de futuro...

                  
              Quero chorar...chorar sem parar!

E que em algum momento perceba
que tudo não passou de sonho

                       e eu possa por fim despertar
                                 ...num mundo melhor.

Sónia M


(Pintura, Dmitry Sulimov)

2 comentários:

  1. Todo o ser que é triste, nunca o é apenas por si mesmo, mas por
    tudo o que o rodeia. Existe uma tristeza que contagia, sobretudo
    essa dor daqueles que pouco ou nada têm.
    xx

    ResponderEliminar
  2. Bom dia Sónia, a sua poesia em constante crescendo!
    Um poema muito belo que foca a realidade bem triste do tempo que atravessamos!
    Ainda conseguimos ter esperança?
    Um beijinho,
    Ailime

    ResponderEliminar

NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS ANÓNIMOS