07 janeiro, 2014

Este senhor bem que podia ser meu avô. Aliás, foi dele que me lembrei, quando vi este pequeno vídeo.
Senti até (além de saudade) uma certa pena, por na altura em que ele declamava a sua poesia, eu nunca o ter gravado, de forma a poder ainda hoje, desfrutar dela, de viva voz. Felizmente há vozes que não se perdem, como a deste senhor um poeta popular de Grândola, Horácio luís Pereira, que aqui nos define a condição de adulto. A poesia popular alentejana, contém grandes verdades, ditas sempre na sua forma mais crua. Cresci a ouvi-la, talvez por isso a aprecie tanto. Adultos, realmente, há de todo o tipo. Há até aqueles que apesar de o serem, porque todos lá chegamos, parecem ter ficado presos na infância e não o digo pelos melhores motivos.



8 comentários:

  1. Oi Sónia
    Bem que você poderia colocar a letra embaixo, eu não entendi direito, mas deve ser alguma lição de vida.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  2. A poesia popular, Alentejana ou outra, contém sempre grandes verdades. E felizmente, como dizes há vozes que não se perdem. Ainda bem e continue a ser assim. Tu fizeste bem em partilhar esta voz....

    Beijo

    ResponderEliminar
  3. O senhor, diz e é verdade!
    Nem toda a gente tem
    A cabeça em seu lugar.
    Eu digo também
    Que este governo não tem
    Competência para governar!

    Grândola Vila Morena.
    Terra da fraternidade
    Este povo tudo aguenta
    Em defesa da liberdade!

    Desejo boa noite para você
    amiga Sónia, um beijo
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  4. Boa noite Sônia.. eu ainda consegui fazer um video de minha nona.. não a falar versos, mas a rir e contar piadas em italiano rsrs.. unica e maravilhosa lembrança.. se podemos temos que fazer e guardar pq isso ng tira de nós.. bjs e um até sempre
    lindo ano a vc

    ResponderEliminar
  5. Foi pena não teres gravado o teu avô a declamar.
    Estaríamos hoje a apreciar a poesia popular que ele dizia...
    Sónia, minha querida amiga, tem uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  6. Eu não entendo o português falado em Portugal, mas gostei de saber que essa poesia lhe trás boas lembranças.

    Beijos.

    ResponderEliminar

NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS ANÓNIMOS