28 outubro, 2013

.

Trazias a urgência dos instantes à surdina.
Quando me enfeitavas a vidraça de joaninhas
e me oferecias o mundo que trazias nos olhos.


Ignorava o grito das flores
desfolhadas pela pena.
Por ser de instantes a urgência
e não a urgência de um tempo 
a caber numa vida inteira.



Choram para dentro as paredes da casa.
A tua ausência
é este chão de espinhos
por onde agora caminho.


À porta 
corre um rio de sangue
onde todas as noites me afogo.
E eu nem sabia
que se podia morrer tantas vezes...

Sónia M



28 comentários:

  1. Esse seu poema conta a tristeza e a tristeza ficou épica, suave e delicada nesses versos teus. Desejo uma boa semana para você. Um abraço, Yayá.

    ResponderEliminar
  2. Um poetar triste,mas de uma grande delicadeza.
    bjs amiga Sónia.
    Carmen Lúcia-mamymilu.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Desejo a você uma semana de paz e realizações
    semeia amor e carinho no decorrer dessa semana
    verá a diferença em sua vida.
    È agradável sermos benevolente com nossa família
    amigos afinal somos todos irmãos.
    Podemos escolher entre o bem e o mal
    tudo depende de nós.
    Eu já deixai tantas mensagens semeando amor
    por onde passei nem por isso recebi de todos
    a semente , que plantei.
    Uns leram guardaram no fundo do coração
    por outros passei despercebida.
    Uma certeza eu tenho não passei
    despercebida aos olhos de quem
    tem amizade verdadeira e muito menos
    passei despercebida aos olhos do Pai.
    Podemos escolher o que semear ,
    mas somos obrigados a colher
    aquilo que semeamos.
    Plantemos amor colheremos fatalmente
    a sonhada felicidade.
    Uma abençoada semana de me suas mãos me ajuda a caminhar
    o resto é o nada diante de Deus.
    Paz e luz , Evanir.



    ResponderEliminar
  4. Bom dia, amiga Sónia, obrigado pela visita
    O dia aqui está cinzento e chuvoso
    Te desejo bom começo de semana com muita alegria
    Afoga-te no rio do amor, para vida inteiro com muito gozo!

    Um beijo para ti amiga Sónia.
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  5. Tu Sónia trazes nos olhos e na alma um mundo maravilhoso...senão não escreverias como escreves minha querida!!!
    Beijinhos e boa semana!
    Maria

    ResponderEliminar
  6. Oi Sónia,
    Passando para agradecer os comentários e dizer que sua poesia é fantástica: quanta inspiração.
    Eu quero morrer uma vez só, voltar novamente aqui na Terra, jamais.kkk
    Obrigada
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  7. Se nasci,sei que vou morrer, mas se tiver hipótese de escolher uma segunda vida, queria ir viver no Dubai, com vivenda próxima da praia, com helicóptero e aeronave para os meus passeios em casa criaria três postos de trabalho,(governanta e duas empregadas domésticas), o resto viria por acréscimo, sonhar nunca fez mal a ninguém!
    Com aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António Querido: Se necessitar de um mordomo, eu estou disponível. A não ser que eu, na próxima encarnação, venha a ser o xeique do Dubai.
      Os meus cumprimentos.

      Eliminar
    2. Alexandre, eu fiquei aqui muito caladinha, não fosse tocar-me algum desses postos de trabalho. Irra!! E no Dubai?!! Para aí nem com o xeique. Eu na próxima encarnação serei nuvem, ou árvore. Tenho dito!
      Abraços aos dois. :)

      Eliminar
    3. E não será de todo inútil, Sónia! Eu, se vier a ser xeique do Dubai, na próxima encarnação, vou precisar de uma nuvem ou de uma árvore, para me protegerem do Sol, fazendo-me sombra, o que será uma boa alternativa à ausência de ar condicionado, que, nesses tempos futuros, provavelmente não existirá.
      Espero que o António Querido, um frequentador assíduo deste nobre espaço, aceite com agrado este pequeno desvio alegórico, que também precisa de um pouco de humor, já que a poesia da Sónia só nos faz chorar baba e ranho. Saudações.

      Eliminar
    4. Não chore, pelo amor da santa! Já a fazer concorrência à minha próxima encarnação?
      Hoje ainda vou daqui ranhosa, mas não é do choro! :) :)
      Agora assim de repente, faltou-me aqui a MJ...

      No próximo post (agora não, que tenho lá os fantasmas), apareço cantando!

      Eliminar
  8. A Poesia é sempre uma alameda de encantamento, mesmo quando nos canta o desencanto.
    Gostei de passear por aqui. É certo que vou voltar.

    ResponderEliminar
  9. Palavras sensíveis de corpo inteiro
    escritas com quem respira
    em voz alta

    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Olá,
    É lindo de ler este seu poema, embora triste é profundo que nos leva para a realidade.
    parabéns pelo seu dom.

    Abraço

    ag

    ResponderEliminar
  11. Esse choro sentido está sempre no interior, da casa antes dividida e do coração antes partilhado. Lindo!

    ResponderEliminar
  12. Olá Sônia,

    Melancólico, doído e lindo de ler.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  13. mais uma perola, desta vez um pouco triste mas bebi cada palavra tentando ler seu pensamento.. Sem ausências com muito carinho

    ResponderEliminar
  14. Bello poema un poco melancólico, pero sería el reflejo de tú interior en ese instante, que por otra parte esos son los momentos de grandes creaciones. Un abrazo

    ResponderEliminar
  15. Respostas
    1. Serviu-me de inspiração, ao breve e humilde "sussurro", que aqui a acompanha.
      Sussurro que escrevi, enquanto a ouvia no "Paranóias".


      Grata a todos pelas visitas e comentários.
      É um verdadeiro prazer tê-los aqui.

      O meu abraço.

      Eliminar
  16. Hola Sónia, buenas tardes,
    parece que la tristeza no se quiere ir del todo de esa casa eh...
    espero que no se encariñe,
    pues una vez agarrado el gustito, luego es mas difícil de erradicar...

    Te deseo una maravillosa tarde-noche
    un beso y un abrazo

    ResponderEliminar
  17. Por ser de instantes a urgência
    e não a urgência de um tempo
    a caber numa vida inteira.
    ...
    E eu nem sabia
    que se podia morrer tantas vezes...


    Uma vida inteira é já uma urgência! E por isso é preciso morrer muitas vezes, para se aprender a ressuscitar!...

    ResponderEliminar
  18. Não deixa a tristeza e ninguém vale à pena sofrer tanto por outra pessoa.
    Abraços.Sandra

    ResponderEliminar
  19. sensibilidade e melancolia ...

    um dia isso será apenas uma ténue recordação..

    beijo

    :)

    ResponderEliminar
  20. Ora cá está uma musiquinha calma, como de resto eu gosto!

    ResponderEliminar

NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS ANÓNIMOS