09 setembro, 2013

Agora que dormes...




Não sei... agora que dormes só me apetece acordar-te.
Talvez não durmas e apenas finjas, na espera que te acorde.



Encontrei uma pena verde no pátio da casa, de um pássaro que não é meu.
Tudo indica que por ali te passeias trazendo contigo os teus pássaros.

Sabes que eles não se controlam. São rebeldes. No esvoaçar das asas,
há sempre um vestígio que se deixa e fica ali à espera que eu o encontre.


O teu sono, era aquela candura adormecida, que guardei num bolso
remendado à pressa. Bastou uma pena impregnada com o teu cheiro,
para te acender na memória, como uma fogueira liquida.


Era tão profundo o silêncio dos meus pássaros e agora não param,
dia e noite, de me cantar aos ouvidos a mesma melodia.
Não sei mais que fazer para pará-los. 

E num repente, levantam voo e já me vão longe...desculpa se te acordam. 
Não se controlam. São rebeldes.


Sónia M

13 comentários:

  1. Gosto dos pássaros rebeldes...não gostava dos silenciosos :) esses, por vezes, fazem mais barulho...

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Ah! um acordar para a realidade, não é mesmo?
    Mesmo um acordar assim...
    bjs e excelente semana
    Ritinha

    ResponderEliminar
  3. Que bom passar por aqui...!
    Sai-se sempre mais belo do que se entrou...mais rico do que se previu!
    Bjs
    Maria

    ResponderEliminar
  4. Por onde tens andado!...
    Olá amiga Sónia...
    Bom dia te deseja o Eduardo
    Que não sabe tocar harmónica.

    Não tem importância alguma
    Há coisas mais importantes na vida da gente
    Rebeldia, não as faço nenhuma
    Tudo o que faço é sem dúvida transparente.

    Gaba-te muitas vezes alentejano
    À noite junto da lareira
    Trabalhas uma vida inteira
    Não tens dinheiro para comprar um pano

    Um pano velho esburacado
    Também para nada serve
    Trabalho do campo explorado
    Trabalhava de noite e dia o almocreve!

    Já chega de tanta lamuria
    Amiga Sónia, desculpa lá
    Dantes seriam uma dúzia
    Hoje não se sabe quantos há!

    O pássaro perdeu a pena
    Quando voava tristemente,
    Aldrabão tem estratagema
    Sem pena vive alegremente.

    Boa segunda-feira te desejo
    Muitas felicidades em tua vida
    Envio um beijo também
    Para ti Sónia, minha amiga.
    Eduardo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eduardo, obrigada pela quantidade de sorrisos que acaba aqui de me oferecer.
      Bem haja! :)

      Eliminar
  5. Hola Sónia,
    buenas tardes,
    os pássaros são rebeldes como o amor =(
    me encantó tu escrito.

    Te deseo una hermosa semana
    un beso grande.

    ResponderEliminar
  6. Esa aves que son dulces y tierna pero, también, rebeldes e inconformistas por el entorno que les rodea...Precioso.
    Abraços e beijos.

    ResponderEliminar
  7. Oi Sónia,
    Preciso de uns pássaros desses aqui, acordei muito cedo, dormi outra vez e só acordei agora. O meu pássaro logo chega para o almoço e não está pronto.kkk
    Linda sua poesia
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  8. Ainda bem que o são...
    Tão belo, Sónia!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. TUS SENTIMIENTOS SON COMO PLUMAS.
    BESOS

    ResponderEliminar
  10. Grata pelos vossos voos :)

    O meu abraço

    ResponderEliminar
  11. Recordar momentos marcantes, ajudam a sacudir a poeira acumulada pela saudade.
    Maravilha, Sônia.

    ResponderEliminar

NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS ANÓNIMOS