11 junho, 2012

O pouco que entendes de mim!


Essas lágrimas de mágoas passadas...
chorei-as todas contigo.
Mesmo as que de meu tempo não o eram,
são sempre choradas...
como um eco...
um castigo
daqueles que se amam.
Fala-me antes 
de quantas vezes sorriste
por de mim te chegar a lembrança,
de quantos ventos te soprei
acendendo em ti a esperança.
E quantas vezes na noite, 
a mim te aconchegaste enquanto dormia
e num sussurro cálido falaste
tudo o que te esquivas em dizer no dia?
Quantos foram os medos que te assolaram
pelo pensamento de me perder?
Quantos foram?
É tão pouco o que entendes de mim!
É tão pouco o que espero...
mas tão pouco o que te permites ver!
Diz-me, se hoje chegasse o meu fim,
se a noite fria e eterna me envolvesse num abraço,
poderia eu, calma e tranquila
repousar nela meu cansaço?
No fundo, o que tanto teimo em saber,
é se fui...e sou para ti, neste mundo,
o único que vale a pena ser.
Sónia M

12 comentários:

  1. [livre é o navio que atraca em reconfortantes portos sem precisar baixar as âncoras]

    Beijo

    ResponderEliminar


  2. Me voy a tomar un leve descanso…

    Nos vemos a la vuelta.

    ¡¡Gracias por la comprensión!!

    Me llevo tu nombre gravado en la valija donde reposa mí cariño. Y cuando regrese continuaré haciendo uso de la modestia de las palabras, para que sigan iluminando el cauce de la amistad que tiñe de colores la ilusión.
    Con párrafos abiertos para valorar las impresiones, que brotan del entusiasmo producido por la comunicación entre amigos.

    Un sentido abrazo
    Dejando al viento
    Los sentimientos

    María del Carmen

    ResponderEliminar
  3. Do pouco que entendes de mim,
    Mas que seja o suficiente
    Para me compreenderes até ao fim
    E que me o digas sinceramente!

    As lágrimas que já derramei
    Pelas minhas faces correram
    Para onde foram já não sei
    Caídas na terra morreram!

    Que o nosso amor
    Não termine assim
    Eu te darei uma flor
    Colhida no meu jardim!

    Boa segunda-feira.
    um beijinho
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  4. Lindíssimo poema.

    "O amor não se entende bem, as pessoas entendem-se, como se diz no cinema, mas isso não é amor, ou melhor, não é o amor todo. No cinema dizem que o amor é só o enamoramento, a fase inicial, quando ambos se encontram, sofrem dificuldades, apaixonam-se, dão um beijo e... "The End".

    Beijo.

    ResponderEliminar
  5. Sinceramente, entendo muito pouco, principalmente aquela: (Suspiro por ele todos os dias)! Talvez seja do PDI.
    O meu abraço

    ResponderEliminar
  6. Olá.
    Adorei seu blog,parabéns.
    Até mais

    ResponderEliminar
  7. O pouco poderá ser o principio de nada, poderá ser o princípio de muito...
    Quem sabe das águas que estão por vir?
    Gosto da sua sensibilidade, Sónia!

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  8. É tão pouco o que espero...mas tão pouco o que te permites ver! No fundo, esmo existindo dúvidas todos nós queremos amar e ser amados, necessitamos de certezas para viver feliz, pois do contrário, que amor sobreviverá se não formos também importantes para este amor? Um doce beijo no teu coração,Suzana.

    ResponderEliminar
  9. Estas lágriams que correm dos meus olhos
    Secam e, então, eu, sóbrio, digo sim
    Peito aberto de agora sal e cloro
    Poesia que eu escrevo no capim
    Eis que a chuva faz a flor nascer tão linda
    Eis as cores do amor no meu jardim
    Estas lágrimas que correm dos meus olhos
    São dos olhos do humano que há em mim
    GK

    ResponderEliminar
  10. Entender o outro satisfatoriamente não é fácil.
    Umas vezes porque há pouco interesse nisso e noutras porque as pessoas se fecham.
    Para duas pessoas se entenderem bem, é necessário sintonia, sem que seja nevessário seuqre ter os mesmo pontos de vista.
    Gostei do teu poema, é muito bom e levanta alguns pontos para reflexão.
    Sónia, querida amiga, tem uma boa semana.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  11. Pois...somos tão complexos. Adorei o seu poema. beijinhos

    ResponderEliminar

NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS ANÓNIMOS